Tabela Imposto Sobre Veículos (ISV) 2011

Como aconteceu em 2007, 2008, 2009 e 2010 apresento as novas tabelas do ISV (Imposto Sobre Veículos) para 2011. Esta informação é definitiva.

A origem desta informação é o Orçamento do Estado para 2011 publicado no dia 31 de Dezembro de 2010. As 3 páginas constantes da Lei n.º 55-A/2010 (Orçamento do Estado) que alteram o Código do ISV podem ser consultadas aqui (ficheiro PDF com 3 páginas).

Esta é a tabela A, para automóveis novos ligeiros de passageiros e importados usados. É composta pela componente cilindrada e pela componente ambiental. O valor do imposto a pagar corresponde à soma do resultado das duas tabelas. Este ano existe uma novidade, o coeficiente de actualização ambiental, veja mais abaixo o que é.
Deverá ser aplicada a todos os veículos matriculados a partir de 1 de Janeiro de 2011, sejam novos ou importados usados.

Se quiser, tem ao seu dispor um simulador (folha de cálculo) disponível online: simulador ISV/IUC para automóveis novos e simulador ISV/IUC para automóveis importados usados.

Componente Cilindrada (Tabela A)

Escalão Cilindrada (cm3) Taxa por cm3 Parcela a abater
Até 1250cm3 0,92€ 684,74€
Mais de 1250cm3 4,34€ 4964,37€

Componente Ambiental (Tabela A)

Escalão CO2 (g/km) Taxa por g/km Parcela a abater
Gasolina
Até 115g/km 3,57€ 335,58€
De 116 a 145g/km 32,61€ 3.682,79€
De 146 a 175g/km 37,85€ 4.439,31€
De 176 a 195g/km 96,20€ 14.662,70€
Mais de 195g/km 127,03€ 20.661,74€
Gasóleo
Até 95g/km 17,18€ 1.364,61€
De 96 a 120g/km 49,16€ 4.450,15€
De 121 a 140g/km 109,02€ 11.734,52€
De 141 a 160g/km 121,24€ 13.490,65€
Mais de 160g/km 166,53€ 20.761,61€

Novidade é o coeficiente de actualização ambiental que, à semelhança do aplicado no IUC, actualiza os valores da tabela da componente ambiental para o ano 2011 em 5%. Na prática isto quer dizer que a componente ambiental aumenta 5% em 2011.

Coeficiente de actualização ambiental (Tabela A)

Ano Coeficiente
2011 1,05

Existe um agravamento no valor de 500€+IVA para todos os veículos diesel (a gasóleo) que emitam 0,005g/km ou mais de partículas. Normalmente, os únicos veículos que cumprem este requisito são aqueles equipados com filtro de partículas (siglas DPF ou FP). Deverá obter esta informação junto do fabricante, do vendedor ou do DUA. Este agravamento também é aplicado quando não existe informação oficial do valor de emissões de partículas, isto é, quando não há ou essa informação não existe no certificado de conformidade ou na ficha de homologação técnica.

Os importados usados têm direito a um desconto consoante a idade. Estas são as percentagens a aplicar sobre o total de imposto a pagar.

Desconto Importados Usados

Tempo de Uso Percentagem de redução
Mais de 1 a 2 anos 20%
Mais de 2 a 3 anos 28%
Mais de 3 a 4 anos 35%
Mais de 4 a 5 anos 43%
Mais de 5 anos 52%

Esta é a tabela B, aplicada a todos os veículos cujas emissões de CO2 não estejam homologadas, nomeadamente todos os veículos comerciais sujeitos ao imposto.
Esta tabela também se aplica aos veículos fabricados antes de 1970 (os chamados clássicos). O valor de ISV a pagar pelos clássicos anteriores a 1970 é de 55% do resultado da aplicação da tabela, com as devidas reduções da tabela de desvalorização dos importados usados.

Componente Cilindrada (Tabela B)

Escalão Cilindrada (cm3) Taxa por cm3 Parcela a abater
Até 1250cm3 4,13€ 2.666,34€
Mais de 1250cm3 9,77€ 9.714,44€

Para motociclos, triciclos e quadriciclos, aplica-se a tabela C.

Componente Cilindrada (Tabela C)

Escalão Cilindrada (cm3) Taxa única
De 180cm3 até 750cm3 53,84€
Mais de 750cm3 105,57€

Actualizado em 3 de Janeiro de 2011.

16.10.2010. 14:52

Silvia Moreira em 25.11.2010. 19:20

Mauro, ainda bem que não levou a mal o meu comentário, eu vejo tanto gente a reclamar de tudo e mais alguma coisa em portais e fóruns e blogs, e isso por si só não resulta! A nossa "voz" tem de chegar a quem de direito, e nada melhor do que escrever um email aos respectivos ministérios ou entidades que tenham por obrigação fiscalizar certas situações, como a ASAE, porque eles têm de abrir um processo tal como fizeram no MOPTC (ministério obras publicas, transportes e comunicações) com a minha reclamação! Pode ser que caia no esquecimento, mas pelo menos ficou registado, agora suponha que 10 pessoas que viram o meu post têm a mesma atitude e começam a influenciar outras pessoas a fazer o mesmo, chegará a um ponto em que não será possível cair no esquecimento porque não será apenas 1 email mas sim muitos! E quantos mais melhor!
Repare, a legislação é "feita" por um conjunto de pessoas (deputados) que não sabem que na prática vão existir determinadas falhas, quero com isto dizer que uma coisa é teoria outra coisa é prática. A prática atinge-nos a nós, comuns cidadãos, e é nossa obrigação dizer o que está mal para que quem de direito possa rectificar! Pedir e escrever no livro de reclamações ainda tem uma conotação negativa, mas eu penso que deveria chamar-se "livro de sugestões" para que não houvesse tanto receio de fazer uso dele! Este livro não serve apenas para reclamar, também serve para elogiar um bom serviço! É uma ferramenta criada para nós cidadãos, só que não estamos a fazer uso dela! Se detectarmos determinadas situações anómalas, devemos reclamar, e por escrito porque falado não fica registo nenhum!
Fico contente por o ter influenciado de forma positiva, esse é também o meu intuito na minha participação aqui :)

Mauro em 25.11.2010. 16:35

Obrigado Sílvia pelo "puxão de orelhas".....eu já estava a esquecer mesmo. Pouco adianta e de pouco serve só reclamar, temos de uma ou outra forma contribuir, para que algo possa ser alterado. Vou seguir sua sugestão e fazer chegar meu descontentamento às autoridades com responsabilidade nesta matéria. Vamos ver se vai haver respostas?....pelo menos fico com a sensação de dever cumprido.
Mas resta-me uma dúvida, como é hábito na função pública, ninguém se acha responsável por nada, e passam a endossar a responsabilidade a outros. Daí acredito que só a força da Lei (os tribunais) possam impor qualquer tipo de alteração. Temos que nos lembrar que o protesto por si só pouco vale, incomoda talvez, mas pouco mais efeito tem....senão vejamos a "greve geral"....já passou, e tudo continua como dantes.
Cumprimentos, e obrigado pela consciencialização.

Silvia Moreira em 25.11.2010. 11:48

Mauro, eu concordo consigo em tudo menos no que diz no final "espero que alguém aqui neste fórum possa fazer chegar estas questões a quem por força da lei as possa alterar."
O "alguém" a que você se refere somos todos nós Portugueses que somos atingidos pela legislação, não podemos estar à espera que a atitude parta de alguém, temos de ser nós a reclamar, eu vou fazendo a minha parte, ainda há pouco tempo enviei uma reclamação para a ASAE, ANACOM e Ministérios das Obras Públicas, Transportes e Comunicações por causa da ilegalidade que tem vindo a ser cometida pela Via Verde em relação ao número único de atendimento ao cliente, e se toda a gente reclamasse, talvez alguma coisa fosse feita para mudar o que está errado, porque esta situação não acontece apenas com, a Via Verde. Mas, como é apenas 1 voz, não tem consequências, e hoje em dia neste país estamos assim, à espera que alguém faça alguma coisa... Tem de haver mudança de mentalidade porque não vai haver nenhum Messias que nos venha salvar, e não podemos ter receio de represálias!

Mauro em 24.11.2010. 20:17

Olá a todos,....a questão de fundo continua por resolver, ou seja, a cobrança de IVA sobre outro imposto (IA/ISV)- Dupla Tributação. Esta questão não é de livre critério de um governo, pois quando estamos a falar de IVA, estamos a falar de um imposto comunitário. Basta ver o artigo 135 do OE de 2010, onde essa questão foi abordada. Tão importante que era....e ficou esquecida, pois era imposição da UE, mas isso iria criar uma corrida aos tribunais, com pedidos de reembolso de IVA (cobrado sobre o IA).
E esse imposto obedece à lei comunitária, e seus estados membros têm de a acatar. O Estado português tem ignorado a lei comunitária, todos seus pareceres.....e mesmo com recomendações, prazos dados e processos de infracções, continua a desrespeitar a lei.....pois esse crime tem compensado bastante em termos financeiros. São poucos os que se atrevem a processar o estado ou impugnar judicialmente o fisco...pois todos sabemos das represálias.
Muitos outros aspectos, como a livre circulação de bens e pessoas.....também desrespeitada na "mercadoria" viatura automóvel, a descriminação na cobrança de imposto "ambiental"......afinal temos carros com 10/15 e mais anos que nada pagam, mas com certeza muito poluem.
Outro aspecto com terríveis perdas para a nossa economia, continuando no aspecto do comércio automóvel.....uma viatura uma vez legalizada em Portugal fica de tal forma valorizada, que não mais serve para ser exportada para outro país....comunitário ou terceiro.
Fico por aqui....as ilegalidades, feitas por quem as devia combater, são tantas que espero que alguém aqui neste fórum possa fazer chegar estas questões a quem por força da lei as possa alterar.

Silvia Moreira em 24.11.2010. 20:07

Sérgio, entendo a sua revolta, eu também a sinto, deveriam ser tomadas medidas drásticas para reduzir a despesa pública (mas sem pensar em redução de salários ou congelamento de progressão da carreira), pois não pode ser sempre o povo com aumento de impostos e redução de benefícios a pagar a má gestão de quem nos governa... O mal foi ter havido maioria absoluta do governo anterior, fizeram o que quiseram e agora estamos todos "a pagar o pato", e a desculpa da crise internacional até veio mesmo a calhar para o Sr.Engº...

Silvia Moreira em 24.11.2010. 19:59

Fábio, esta semana de facto está-se a discutir o orçamento na especialidade, mas teremos de aguardar até ser publicado no Diário da República e isso não é imediato, poderá demorar cerca de 15 dias a ser publicado. De qualquer forma, estou convicta de que quem administra este site irá colocar a informação assim que houver certezas do que foi alterado e já com carácter definitivo. Sugiro que vá consultando este portal.

Sergio em 24.11.2010. 18:51

este pais enoja-me, revolta me ver carros no pais ao lado ao preço da chuva, msmo com impostos desse pais nunca se paga absurdos como pagamos cá....Silvia e msmo com receitas destas ainda ha defices no orçamento? Será que baixar o ISV nao iria estimular mais pessoas a ir importar? Isto iria triplicar as receitas de ISv pois as pessoas iriam aderir as importaçoes....Que se lixe os carros novos, que se lixe os concessionarios , pois esse estão cheios de dinheiro!!!!

Sergio em 24.11.2010. 18:51

este pais enoja-me, revolta me ver carros no pais ao lado ao preço da chuva, msmo com impostos desse pais nunca se paga absurdos como pagamos cá....Silvia e msmo com receitas destas ainda ha defices no orçamento? Será que baixar o ISV nao iria estimular mais pessoas a ir importar? Isto iria triplicar as receitas de ISv pois as pessoas iriam aderir as importaçoes....Que se lixe os carros novos, que se lixe os concessionarios , pois esse estão cheios de dinheiro!!!!

Fábio Vale de Gato em 24.11.2010. 15:36

Pelo que percebi esta semana estão já a discutir o orcamento na especialidade, certo?
Para a semana é capaz já de se saber qualquer coisa...

Silvia Moreira em 20.11.2010. 19:12

Manuel, sim é verdade que o imposto que essa viatura paga é um perfeito balúrdio! Pelas tabelas que actualmente estão em vigor esse carro pagaria de ISV pouco mais de 22.000€, além do mais, o IUC da viatura iria rondar os 470€ anuais!

Manuel em 20.11.2010. 18:12

Boa tarde,

Tenho um familiar em França que tem um Citroen C6, de Julho de 2007, DIESEL, COM 2700CC. A emissão de co2 é de cerca de 230g/km. Esse familiar vai trocar de carro e perguntou-me se estava interessado em o Citroen porque é um carro de que gosto muito. O problema é que tenho de legalizá-lo e dizem-me que pagarei cerca de 25000€ para isso, além do valor que pagarei por ele em França. Alguém me poderá confirmar se é assim?

Muito obrigado pela ajuda que puderem dar.

Manuel em 20.11.2010. 18:11

Boa tarde,

Tenho um familiar em França que tem um Citroen C6, de Julho de 2007, DIESEL, COM 2700CC. A emissão de co2 é de cerca de 230g/km. Esse familiar vai trocar de carro e perguntou-me se estava interessado em o Citroen porque é um carro de que gosto muito. O problema é que tenho de legalizá-lo e dizem-me que pagarei cerca de 25000€ para isso, além do valor que pagarei por ele em França. Alguém me poderá confirmar se é assim?

Muito obrigado pela ajuda que puderem dar.

Silvia Moreira em 18.11.2010. 11:25

Manuel Martins,
É verdade sim, pode circular com a sua viatura de matrícula estrangeira (desde que tenha residência no país da matrícula) até 183 dias por ano.
Se pensa vir para Portugal definitivamente, o melhor será legalizar a viatura pedindo isenção do ISV por ser emigrante de regresso,mas terá de ter os documentos que indiquei na resposta a George, além de ter que cancelar a residência em Inglaterra.

Manuel Martins em 16.11.2010. 19:07

Boa Tarde
Gostaria de saber se posso circular com o meu carro de matricula de Inglaterra, no espaço nacional. Por quanto tempo? De momento estou a residir em casa de familiares, mas tenho residência lá. Pergunto isto porque me informaram que após seis meses tenho de legalizar o carro. É isto verdade?

Silvia Moreira em 15.11.2010. 16:22

George, nos casos de transferência de residência existe isenção de ISV, logo não se trata de uma importação mas sim de legalizar um carro que já é seu.
Só que nestes casos é necessário apresentar na Alfândega juntamente com o pedido de isenção do ISV o seguinte:
- Comprovativo de residência noutro estado membro ou país terceiro, por um período de 12 meses seguidos ou interpolados (o que no seu caso pode ser complicado visto já estar a residir em Portugal) - a documentação que comprova a residência serão recibos de renda, de consumo de água e electricidade, recibos de vencimento ou provas de descontos para efeitos de saúde e reforma.
- Ter carta de condução do país de origem há pelo menos 12 meses a contar da data de transferência da residência
- O carro tem de ter matrícula definitiva romena e tem de ser seu há pelo menos 12 meses antes da transferência da residência para Portugal

Por outro lado, tem que ter em consideração que se lhe derem a isenção do ISV, não pode vender o carro nos 12 meses seguintes senão terá de pagar o ISV de que ficou isento, assim como se vender o carro nos 5 anos seguintes à legalização (que efectivamente são 4 anos já que no 1º ano não pode vender nem doar nem nada que implique a transferência de propriedade), terá de pagar a diferença do ISV de que foi isento para o que pagaria na altura em que vender o carro.

Silvia Moreira em 15.11.2010. 15:58

M.CARNEIRO, não pense que só em Portugal é que se cobram impostos, nos outros países também se pagam impostos e em alguns casos em percentagens superiores a Portugal!
O dinheiro de impostos cobrados vai para vários sectores, não apenas para o Estado - consulte a legislação em vigor, o acesso ao Diário da República electrónico é público e gratuito, e em formato papel também é público e gratuito em qualquer biblioteca. Na legislação existe sempre um artigo ou ponto "titularidade da receita" e é aí que se vê para onde vai o dinheiro do imposto cobrado. Se quiser ver como é que o dinheiro é gasto, pode sempre consultar o orçamento de estado, lá vêm mencionados os valores que são gastos em cada sector do estado, talvez se admire se vir que uma boa parte do orçamento é gasto na educação, na saúde, na justiça, na segurança e protecção civil, etc...
Os impostos são inevitáveis, principalmente para um país que não é produtor de riqueza, mas penso que as grandes questões em Portugal se prendem com a evasão fiscal e com a má gestão do dinheiro cobrado dos impostos...

Heliomar em 13.11.2010. 01:20

gostaria de informação olhei um caminhão na holanda e me disseram que ele chega no porto de santos por R$ 44.070,58 referente a E$ 17,075.00 quanto mais terei que pagar para retira-lo no porto de santos para minas gerais, aguardo resposta e-mail hccassiano@gmail.com

Gheorge em 10.11.2010. 23:54

Boa noite
Sou da romenia e trabalho em portugal, quero trazer o carro que tenho na romenia, pois pretendo permanecer em portugal, gostaria de saber como funciona e de que forma é realizada, se como estivesse a importar ou tenho alguma isenção.
Nissan Patrol 2005

obrigado

Pedro em 10.11.2010. 21:11

Concordo c o dr carneiro , mas qual a solucao?

M.CARNEIRO em 08.11.2010. 01:46

Olá Povo manso.Tanto faz o ano passado, este ano ou o ano que vem,continuamos a ser uns mansos.Com a treta da componente ambiental continuamos a ser roubados.Somos a vergonha da Europa.Só gostava de saber para onde vai todo o dinheiro que o sector Automóvel rende,desde o I.S.V passando pelo I.C e sem esquecer os milhões de euros que pagamos de multas.Espero que um dia deixaremos de ser mansos e nos negamos a pagar impostos indevidos.

Silvia Moreira em 04.11.2010. 17:16

Fábio,
Antes de mais, o carro está em Portugal ou no estrangeiro? Cuidado com a compra, poderá esta a ser enganado se não tiver conhecimento da origem do carro...
Pelo imposto em vigor actualmente, esse carro pagará de ISV aproximadamente 7.650 € (partindo do princípio que o carro é proveniente de um outro país pertencente à União Europeia, mas se não for esse o caso, ainda terá de pagar taxa aduaneira + IVA à taxa legal em vigor), e de IUC pagará tanto como se fosse um carro novo pois o que conta para este imposto é a data da matrícula portuguesa.

Uma vez mais alerto para a proveniência da viatura! Não se meta em trabalhos....

Fábio Henriques em 04.11.2010. 13:04

Boas, estou interessado num carro que tem matricula estrangeira, penso que ainda terá que ser registado e pagar o isv, certo? Gostava de saber, mais ou menos, que valores podem rondar esse registo, já tentei faze-lo sozinho com as tabelas on-line, mas não fiquei seguro. Vou deixar algumas caracteristicas do carro, para que talvez me possam ajudar.

Opel Astra GTC - 1.9 CDTI 150cv
De Maio de 2006

José Carlos Sanches em 29.10.2010. 20:43

Boas, em relação à questão da D. Silvia Moreira, informo que ó o nº do Art. 11º (logo a seguir à tabela C). Desifrando o que está escrito é o retorno do desconto da idade sobre a totalidade do ISV (Cm3+CO2).
Em relação à questão que o Sr. Jorge Moreira aqui apresentou, deixe-me dizer-lhe que o deve estar a confundir alguma coisa, mas a legslação dos motociclos diz que só pagam ISV de 180 a 750 cm3 (actualmente paga na casa dos 52€, valor fixo),estive a fazer uma simulação para o carro que falou de 2007 com 1250 cm3, gasolina (gasóleo paga muito mais) e com 120 g/CO2 e esse carro pagaria cerca de 527 €. Ou seja, deve estar a fazer confusão com alguma coisa, reveja onde se enganou, obrigado.

José Carlos Sanches
www.autodoc.pt

Jorge Correia em 28.10.2010. 21:13

Para quando uma revisão da tabela para motociclos? que valores exorbitantes pagam estes veículos. Porque é que uma 250 paga o mesmo que uma 750 o que é muito mais que um carro de de 1250cc anterior a Junho 2007.

FD em 28.10.2010. 10:44

Veja aqui a resposta que lhe dei: http://impostosobreveiculos.info/simulador-online-isv-iuc-importados-usados/simulador-que-calcula-as-diferencas-do-isv-entre-2010-e-2011-para-carros-importados-usados/#Coment%C3%A1rio8

Silvia Moreira em 27.10.2010. 16:33

Olá
Eu estive a ver na proposta do OE para 2011 a Secção III Imposto sobre veículos, Artigo 110º Alteração ao Código do Imposto sobre Veículos e não li nada sobre a percentagem de redução no caso de carros importados usados passar a ser aplicada também à componente ambiental. Será que está a falar do método alternativo? É que aí eu tenho dúvidas...
ISV =( V / VR )× (Y + C) (aqui não dá para escrever a fórmula conforme aparece na proposta do OE)
V e VR entendi que são valores de Eurotax (V é valor de venda actual e VR é o valor PVP em novo), mas Y e C é que tenho dúvidas. Y refere-se ao imposto (apenas componente cilindrada) que a viatura teria pago no ano em que teria sido legalizada nova, certo? C refere-se apenas a viaturas a partir de 2007 certo? É que só se começou a taxar a componente ambiental desde o inicio de 2007, portanto se quisermos importar e legalizar uma viatura de 2006 o C é zero! Ou estou errada?

José Carlos Sanches em 24.10.2010. 20:26

Boas a todos e principalmente a este forum que continua um excelente motor de recolha de informações sobre a legislação automóvel.
Embora tenha a consciência que os responsáveis por este site já analisaram tudo sobre a nova proposta para o OE de 2011, gostaria de deixar aqui uma novidade muito importante para os veículos importados.
Em 2009 foi criado um grande movimento para combater o que se julgava uma grande injustiça, pois só beneficiava os veículos novos que era o fim do desconto da idade sobre a componente ambiental, o que encarecia enormemente os impostos aos veículos importados.
Em 2009 e 2010 este sector levou uma razia, mas lá se conseguiu indireitar, pois agora a importação está em força com carros bastante recentes.
Nós, Autodoc,Lda, continuamos a ser a empresa líder em Lisboa e Setúbal, e agora estamos perante uma proposta bastante boa que é novamente o desconto no ISV voltar a incidir sobre o CO2, o que fará voltar a importação até 5 anos de idade em força a partir de Janeiro. Haverá concerteza muita gente contra, mas com a crise como se espera pelo menos haverá alternativas aos novos, sendo a importação novamente uma alternativa de peso.
Não espero discussões como houve durante o primeiro semestre de 2009 (altura em que se criou um Movimento e uma Associação-APIV, que desde Maio de 2009 não pertenço), mas o ramo automóvel vai sobreviver à crise de 2011, acreditem!

Uma abraço
José Carlos Sanches
www.autodoc.pt

costa em 18.10.2010. 18:17

boa tarde

caso pratico
viatura 2148 cm3
co2 180
ano 2005

<< Primeira < Anterior [4 / 4] Seguinte > Última >>

Escrever um comentário


Por manifesta falta de tempo, não me é mais possível responder às questões colocadas, como acontecia até agora. Tenha isso em consideração quando colocar o seu comentário, obrigado.
COMENTÁRIOS COM LINGUAGEM IMPRÓPRIA SERÃO APAGADOS!

:

:

:


Em que ano é que estamos?